Pesquisar

Guimarães recebe Congresso Histórico Internacional até sexta-feira, 20 de outubro

 jgm3116x 1 690 2000
17 Outubro 2017

Evolução das cidades em contextos históricos e geográficos distintos em debate durante três dias no CCVF. “Sociedade” é o tema de um certame com cerca de 140 comunicações.

A abertura da 2ª edição do Congresso Histórico Internacional “As Cidades na História” está marcada para as 09:30 horas desta quarta-feira, 18 de outubro, no Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães. Nesta 2ª edição, que se prolonga até sexta-feira, pretende-se que o evento mantenha a sua identidade de partida, abordando a evolução das cidades em contextos históricos e geográficos distintos, desde a Cidade Antiga à Cidade do Presente a caminho do Futuro.

O congresso, cuja primeira edição decorreu em 2012, divide-se em cinco grandes áreas temáticas; a Cidade no Mundo Antigo, na Época Medieval, Moderna, Industrial e, finalmente, a Cidade da Época Contemporânea. Cada uma destas áreas tem uma sessão plenária estruturada em torno de dois conferencistas, um português e outro de fora de Portugal, e um conjunto de sessões paralelas de apresentação de resultados sobre as respetivas temáticas, com cerca de 140 comunicações.

Maria Manuela Martins (Universidade do Minho) coordena a área temática relativa à “Cidade Antiga”, Maria Helena da Cruz Coelho (Universidade de Coimbra) é responsável pelo painel “Cidade Medieval”, José Damião Rodrigues (Universidade de Lisboa) tem sob a sua alçada o tópico da “Cidade Moderna”, Jorge Fernandes Alves (Universidade do Porto) coordena o tema “Cidade Industrial”, enquanto a área “Cidade Contemporânea” tem a coordenação do Instituto Universitário de Lisboa.

No segundo dia do congresso, 19 de outubro, pelas 17 horas, realizar-se-á uma Mesa Redonda sobre “A Cidade do Futuro”. Os Congressos Históricos podem apresentar-se como ponto de partida de outros encontros em que Guimarães se situa como importante plataforma do diálogo europeu, sendo anfitriã apetecível para eventos desta natureza, não só pelas estruturas culturais de que dispõe, mas por toda a sua envolvência urbana.

Subscrever newsletter