Pesquisar

Inauguração do 1º ciclo expositivo de 2018 no Centro Internacional das Artes José de Guimarães

17 Fevereiro 2018
26758362 1979604422307868 1803913253969162908 o 1 690 2000

O Centro Internacional das Artes José de Guimarães inaugura, no dia 17 de fevereiro, às 21:30 horas, o primeiro ciclo expositivo de 2018 com três novas exposições a tomarem conta do Centro até 10 de junho.

CHRISTIAN ANDERSSON | WHEN SCIENCE-FICTION WAS DEAD
Num contexto em que a noção de verdade está mais do que nunca em crise, a exposição individual do artista sueco Christian Andersson, que reúne obras marcantes e outras inéditas, concebidas e produzidas especificamente para esta exposição, oferecerá ao público português o mais extenso panorama alguma vez disponível no nosso país da obra de um autor que se interessa sobretudo pela condições objetivas e subjetivas, espirituais e materiais de leitura e descodificação da proposta artística.

MIGUEL LEAL | DUPLO NEGATIVO
Miguel Leal é, dos artistas da sua geração, aquele cujo universo de referências e o trabalho são menos conhecidos como um todo, o que contrasta com a solidez e a imprevisibilidade das soluções formais e conceptuais que engendra a cada passo.
Esta exposição antológica tem, assim, por objetivo revisitar e repensar o trabalho de Miguel Leal como um constructo em que a produção intelectual, curatorial e visual se articulam como um todo simultaneamente complexo e profundo.

TEORIA DAS EXCEÇÕES | ENSAIO DE UMA HISTÓRIA NOCTURNA
Lógica circular, eterno retorno, repetição e diferença: a nova montagem da coleção permanente, vigente durante o ano de 2018, regressa ao mapa delineado pela exposição inaugural do CIAJG, “Para além da história”. Trata-se de prosseguir um projeto sem tempo plenamente consciente do tempo em que é realizado, afirmativamente contemporâneo sem ser exclusivamente constituído por objetos de arte contemporânea. A sua natureza é ser transversal, poroso, impuro, aberto e circular, procurando nexos, relações, permanências; por outras palavras, sonda o impercetível que o tempo histórico, tão marcado por uma memória seletiva e fatalmente grosseira, acaba por expurgar.
Obras de: José de Guimarães, Vasco Araújo, f.marquespenteado, Ernesto de Sousa, Franklin Vilas Boas, Rosa Ramalho, Jaroslaw Fliciński, Missão de Pesquisas Folclóricas de Mário de Andrade, Mumtazz, Carlos Relvas, Rui Horta Pereira, Christian Andersson e Arte Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães.

 

Subscrever newsletter