Pesquisar

Incubadora de Base Rural de Guimarães formaliza contratos com 16 empreendedores

Ibr img 0004 small 1 690 2000
12 Janeiro 2018

Miguel Freitas, Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, elogiou a iniciativa vimaranense, na cerimónia protocolar de assinatura de 16 contratos para a promoção do empreendedorismo de base rural qualificado.

A Câmara Municipal de Guimarães celebrou esta sexta-feira, no Salão Nobre do Município, a assinatura dos contratos de incubação entre a Incubadora de Base Rural de Guimarães (IBR Guimarães) – nova estrutura de promoção do empreendedorismo qualificado e de nova geração dinamizada pelo Município – e os 16 empreendedores que se candidataram aos apoios oferecidos para o aprofundamento do seu conhecimento sobre a economia de base rural. A cerimónia contou com a presença do Presidente do Município, Domingos Bragança, do Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, e da vereadora do Ambiente, Sofia Ferreira, tendo sido oficializados acordos com os candidatos André Machado, Carla Veloso e Silva, Filipe Brandão, Francisco Freitas, Idálio Oliveira, João Pinto, João Gama Brandão, José Távora, José Lopes, Maria Carolina Diniz, Marina Silva, Mário Barata, Marta Carvalho, Miguel Figueiredo, Nuno Oliveira e Tiago Oliveira.

Após a formalização dos contratos com os potenciais empreendedores, o Presidente do Município, Domingos Bragança, afirmou que a Incubadora de Base Rural de Guimarães é fruto da preocupação de Guimarães na persecução de um caminho sustentável. “Esta não é uma ação que acontece por acaso”, frisou, acrescentando que Guimarães pretende ser um concelho referência nestas matérias, formando ecocidadãos que sejam motor de mudança na preservação do ambiente e do planeta. “Não é um caminho fácil, mas é o caminho”, referiu o edil, aproveitando para lembrar que Guimarães é candidata a Capital Verde Europeia 2020 e que as questões da defesa do ambiente são fundamentais para um futuro melhor. A Incubadora de Base Rural deve aproveitar o conhecimento obtido nesta matéria pelas instituições investigadoras, nomeadamente a Universidade do Minho e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, de forma a que o que for feito nesta área seja feito com as práticas mais sustentáveis e amigas do ambiente. Domingos Bragança finalizou a sua intervenção dizendo que contará com o Estado para que esteja ao lado de Guimarães neste desígnio.

Por sua vez, o Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, salientou o mérito da iniciativa e o simbolismo da mesma numa mudança de atitude de Portugal para com o desenvolvimento rural. “Nós não nos podemos resignar à ideia de um país dividido em dois: um país urbano e um país rural”, disse. A revitalização e desenvolvimento, segundo Miguel Freitas, é também possível nas áreas rurais e que “este projeto, em Guimarães, é prova que essa resignação não existe”. Miguel Freitas insistiu na ideia que o rural não é atrasado, mas pode ser inovador. Por esse motivo, “o projeto da Incubadora de Base Rural de Guimarães, incorpórea, é uma forma de fazer inovação institucional. Não apenas trabalhar em parceria, mas de criar uma plataforma que assente numa visão partilhada de futuro”. A IBR Guimarães é uma boa ideia para compreendermos esta novo conceito de progresso e inovação para os espaços rurais e, também, de apelo aos jovens para que se dediquem à exploração do espaço rural como espaço de trabalho e de habitabilidade. “O que mais me agradou neste projeto é a ideia de não resignação”, reforçou.

Subscrever newsletter